“Nadie rechaza una boca rica” – Golgona Anghel

6

Nadie rechaza una boca rica,
ni siquiera cuando ataca, de cerca,
con aquella energía de niñato engreído
que tomó más coca-colas de las que debía.
No está todo perdido:
La lluvia ordena el tiempo en las goteras.
De aquí a cuatro años me gradúo
en copas vacías,
ojeras
y sillas mojadas.
El cielo se abrirá
como unos pantalones cortos
en un parking.

Golgona Anghel, Como uma flor de plástico na montra de um talho (Assírio & Alvim, 2013)
Traducción/Revisión: Montserrat Villar González y J.G
Fotos: Vitor Dias

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s