O escadote – Rache G. Hofmannsthal

7Há qualquer coisa na vida, cuja presença difusa
A hálito de morte
Mente-me com pessoas vivas, que compassadamente matinais,
Percorrem as ruas de pluralidade estéril,
Com vontade de amanhã.

No dia seguinte somos todos sobreviventes.

E a minha mãe sem altar,
(estranha coincidência entre ventre e mulher);
Anda por aí a dizer disparates,
A padecer de nudez,
A querer-me universal.

Inédito
Foto: Vítor Dias

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s